Arquivo da categoria ‘Seriados’

Séries

30 Rock – 4a Temporada

Essa temporada começou mais devagar, engrenando mesmo depois do terceiro episódio. Até agora a história se focou na contratação de mais um ator principal pro TGS e depois disso, Liz ganha seu próprio programa (Frank substituindo Liz como chefe…rs). Tracy, como sempre, rouba cena. Agora seu novo objetivo é ter uma filha, a Chewbaquina Jordan!…rs Poucas participações especiais até agora, sendo a mais marcante a da Whoopi Goldberg, mas teve só uma cena. No geral, a série se mantém boa como sempre.

100 Questions

Eu nem dei bola quando saiu, mas não é que é engraçado? Cópia descarada de “Friends”, o 1º não empolga muito não(como o 1º do “Friends”), mas no 2º já fica hilário (com o trenzinho de bundas….rs). Agora só resta torcer pra continuar porque a emissora lá nos EUA encomendou só 6 episódios já não acreditando muito na série. Até agora está muito bom (só saíram 4 episódios).

The hard times of RJ Berguer

A série vendida como “Hung” misturada com “Superbad” tá mais pra “American pie” encontra “The O.C.” ou “Greek” (essa é mais adequada mas ninguém conhece…rs), mas sinceramente, eu esperava o quê da MTV? O mais interessante é que até agora foram 3 episódios e nada de “Hung” na série, então o que temos é um “Greek” com muito palavrão e putaria. Série pra moleque de 14 anos, basicamente, metade da audiência da MTV (a outra metade adora Crepúsculo e Restart….rs Puta falta de sacanagem viu….rs).

The real L word: Los Angeles

O reality show lembra muito “The L word”, também da Ilene Chaiken. Isso é ruim porque quem assistiu a série (eu recomendo) já viu tudo o que está acontecendo aqui “com as pessoas de verdade”.  Os personagens são idênticos! As situações são idênticas! Tem o casal de lésbicas ricas, tem lésbica pegadora, tem a romântica idealizadora, as super descolada. E tome casamentos, traições, sacanagens, mulheres lindas maravilhosas e por aí vai.

Documentários

Atlantis – The evidence

Documentário de 1 hora da BBC sobre o mito de Atlântida criado por Platão. A historiadora Bettany Hughes (linda!) nos mostra uma série de eventos do mundo antigo (nas ilhas de Thera e Creta) que podem ter servido de inspiração para Platão criar o mito que perdura até hoje. Muito legal.

Through the  wormhole

Uma série do canal Science channel que, ao que tudo indica, vai tratar do embate ciência vs. religião. Um atrativo a mais é a apresentação do programa, feita pelo Morgan Freeman. No primeiro episódio temos 3 teorias apresentadas: deus está presente na matemática, deus está presente na mente humana e deus está no computador. Tudo muito bem explicado, mostrando os prós e contras de cada teoria. A do computador eu achei assustadora, não pelo fato de deus existir ou não, mas pelo que ela apresentou mesmo, algo que lembra “Matrix”. Muito bom esse primeiro episódio, vamos ver os próximos.

Animes

Ghost in the shell – Stand alone complex

Assisti aos 3 primeiros episódios. No 1º, um roubo de cérebro com informações confidenciais. Uma aventura típica de GitS (Ghost In The Shell = GitS), com conspirações, ação, tiros, investigação e tudo se resolvendo no último minuto. No 2º(um filho que procura os pais depois de morrer) e no 3º(um rapaz apaixonado por seu robô) o legal é que a série começa a explorar a questão ética dos robôs/ciborgues, lembrando muito as coisas que Isaac Asimov questionava em seus livros, como por exemplo, se robôs tem sentimentos. Eu sei que a série vai questionar muitos outros pontos do “relacionamento” homem/máquina, mas até agora, está excepcional. Não é atoa que a franquia tem o peso que tem não só nos anime, mas no universo sci-fi.

HQ’s

Vertigo #6

A revista Vertigo geralmente é boa. Mas esse mês, sei lá. Não empolgou. “Constantine” tá a baba de sempre. A “Casa dos mistérios” também está se mostrando desinteressante. “Escalpo” e “Vikings” que estavam muito boas, tiveram histórias mais ou menos. E “Lugar nenhum” eu acho horroroso desde #1. Aliás, quando isso acaba hein? Puta histórinha chata.

30 rock – 3aTemporada

Já começo falando que eu sou suspeito pra falar da série. Adoro o seriado desde o começo, e também adoro a Tina Fey e o Tracy Morgan desde os tempos de SNL. Essa temporada continua do mesmo jeito, com as mesmas maluquices e as mesmas piadas inteligentes que sempre foram características da série. Talvez por isso ela seja queridinha da crítica, mas não do público. Algumas coisas você entende só se estiver por dentro do que acontece nos EUA e no mundo. O que mais surpreendeu nessa temporada foi a quantidade de astros que participaram: Megan Mullaly, Oprah, Jennifer Aniston, Steve Martin, John Litgow, Steve Buscemi, Salma Hayek, Jon Hamm. Os 3 últimos, bem frequentes. O ruim é que isso acabou desequilibrando um pouco a série, que começa excepcional, mas já na metade volta ao nível normal. E como teve episódios memoráveis. Teve o do Donaghy tentando matar a própria mãe, do padre que não aguenta a lista de pecados do Donaghy, da reunião da turma da escola da Liz, do Tracy no programa do Larry King (hilário!), o “El generalíssimo” e mais vários com as pérolas do Tracy. Veja por si próprio, eu não consigo ser imparcial nessa!…rs

Mad men – 2a Temporada

Se você nunca assistiu Mad men, corra atrás do prejuízo. Eu nunca achei que fosse dizer isso, mas lá vai: É melhor até que Sopranos.(Desculpa, Tony!…mas é verdade!). A primeira temporada foi ótima. Tinha um detalhe que me incomodava muito mas que logo nos primeiros episódios dessa temporada você já entende porquê. Tudo vira do avesso nessa temporada. A Betty, esposa de Don, que se mostra a esposa perfeita no começo vai mostrando as garras. Joan, a maravilhosa ruiva do escritório, que começa fera, vai amansando e mostrando as suas fragilidades. Don, inabalável, passa por uma que abalou, e muito seu mundo. E da agência então, nem se fala. Outra coisa interessante é a ambientação muito fiel da série, como nos eventos da morte da Marilyn Monroe ou da paranóia nuclear que se fez durante a crise dos mísseis nucleares em Cuba. O último episódio foi muito foda. O que a Peggy faz com Peter ou o que Don faz com Duck é memorável, de lavar a alma. A melhor série atualmente, indiscutívelmente.

How I met your mother

Os 5 amigo tiveram a pior temporada de todas. Episódios arrastados e cansativos. A temporada passada se segurava muito no Barney mas pelo visto nessa temporada a tática não deu muito certo. Pelo menos as 2 garotas da série continuam bonitas, com a Robin cada vez mais bonita. Ela também foi o personagem que mais evoluiu, com um final de temporada muito foda. Eu, no lugar dela, estaria um caco.

The big bang theory

A temporada foi boa, não teve nenhum destaque ou momento memorável (que recheou a segunda temporada). Pra mim ficou marcada com o fim (previsível) do relacionamento da Penny com o Leonard.

Two and a half man

A melhor comédia da temporada principalmente por ser previsível em sua fórmula e mesmo assim mostrar situações novas aos personagens. A vida de Chalie Sheen deve ter influenciado muito os roteiristas porque ele, que geralmente se destaca, acabou bem apagado do meio pra frente. Mas sem problemas porque Alan, o irmão dele (Jon Cryer, mas pra mim, ele sempre vai ser o “Zureta”, do “Top Gang“) e o sobrinho Jake, seguram as pontas. Alias, o campeonato de peido dos dois é foda.

The vampire diaries

A série da Warner que estreou nessa temporada até que foi bacaninha. Romancinhos adolescentes misturado com vampiros. A grande diferença dessa série pro Crepúsculo é que aqui os vampiros são machos. Várias cenas me impressionaram, inclusive uma que o vampiro se alimenta com a menina acordada e sentindo tudo! Gritaria de primeira! Mas não espere muito, afinal de contas, a série é da Warner.

Supernatural

Mais uma série da Warner que começou muito bem (as primeira e segunda temporadas são muito foda!) mas que ultimamente não anda bem das pernas. Me lembra muito o fim do Arquivo X (da 7 temporada pra frente) no fato de que só é legal assistir os episódios da mitologia. O resto é insuportável. O final da temporada foi muito bom, principalmente porque mantiveram o final do Eric Kripke praticamente inalterado, que seria memorável se fosse o final da série mas a Warner já encaixou lá no finzinho o gancho pra próxima temporada (que por sinal, cagou tudo). Não sei se acompanho a próxima temporada. Kripke, criador da série, programou as aventuras do irmãos Winchester pra durarem 5 temporadas. A Warner deu uma rasteira básica nele e renovou a série o que fez com que ele abandonasse o barco.

House

Essa sexta temporada foi boa por um motivo: House tentando mudar. A série já vinha me cansando, aguentando o House ser fdp o tempo todo irritava principalmente porque ninguém tolera um cara escroto o tempo todo. O final da temporada também foi legal mostrando eventos que deveriam ter acontecido faz tempo, mas antes tarde do que nunca!

Grey’s Anatomy

O romancinho e a lenga-lenga de sempre, bem feito e tudo mais, só que o episódio final foi muito foda. Fazia tempo que eu não ficava tão tenso assistindo algo (cinema ou TV). Foi um episódio duplo onde entra um atirador no hospital e eles isolam o prédio pra ninguém entrar ou sair. E ai de quem cruzasse o caminho do cidadão. Foi tenso!

Criminal Minds

A quinta temporada resolveu as pendengas da temporada passada e ainda manteve o nível no restante. O final não foi tão impactante como nas outras temporadas, mas ainda assim, está valendo. A boa notícia fica por conta do spin-off da série que foi testado em um epissódio da temporada e o público gostou, então, a partir de janeiro de 2011, teremos uma equipe liderada por ninguém menos que Forest “Lazy Eye” Whitaker.

The pacific

A série mais fantástica sobre a segunda guerra mundial. Nada daquela coisa romântica e bonita, aqui é carnificina pura, como foram realmente os combates no pacífico. A história foca em 3 personagens (reais, diga-se de passagem) mas o que vale é o que acontece ao redor deles, a ambientação. Tudo é perfeito, não tenho o que falar, só quero assistir novamente.